Nos tribunais: Um tribunal australiano considera que os sistemas de IA podem ser "inventores"

Setembro de 2021

Rebecca Currey e Jane Owen, Bird & Bird, Sydney, Austrália

Através de uma decisão inédita no mundo inteiro, um juiz do Tribunal Federal da Austrália concluiu que a inteligência artificial (IA) é capaz de ser um “inventor” ao abrigo do regime de patentes australiano.

Este é mais um capítulo do debate global sobre a questão de saber se a legislação e as políticas em matéria de patentes devem adaptar-se para reconhecer o cenário de inovação em evolução. Esta decisão é uma de uma série de casos de teste globalmente relacionados ao efeito de “inventores” de IA sobre o estado atual da legislação em matéria de patentes em certas jurisdições.

A confirmação de que, na Austrália, a IA pode ser “inventores” ao abrigo de nosso regime atual (sujeito a qualquer decisão de recurso) é contrária à posição do Reino Unido, do Instituto Europeu de Patentes (EPO) e dos EUA, onde um inventor deve ser uma pessoa física.

Plano de fundo

Um sistema de IA, conhecido como DABUS (ou Device for the Autonomous Bootstrapping of Unified Sentience – Dispositivo para o Bootstrapping Autônomo da Senciência Unificada), foi designado como o inventor pelo Requerente, o Dr. Stephen Thaler, em um pedido internacional apresentado ao abrigo do Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes, designando a Austrália. A alegada invenção foi a produção dos vários produtos e métodos do DABUS dirigidos a um contentor fractal melhorado, que afirma ser um "contentor alimentar melhorado para alimentos".

Em uma decisão histórica, o Juiz Beach concluiu que não havia “nenhuma disposição específica [na Lei de Patentes australiana] que expressamente exclua a possibilidade de que um sistema de inteligência artificial possa ser um inventor” e, nestas circunstâncias, a IA pode ser um inventor. (Foto: Blue Planet Studio / iStock / Getty Images Plus)

O DABUS foi designado como inventor porque os Regulamentos de Patente exigem, em relação a um pedido PCT, que o Candidato nomeie o “inventor da invenção à qual o pedido se relaciona”.

O Vice-Comissário de Patentes (”Comissário”) havia rejeitado o pedido porque não designou um inventor humano. O Comissário emitiu parecer segundo o qual o significado normal de “inventor” (que não está definido na Lei de Patentes) era “inerentemente humano” e que a designação da IA como inventor era incompatível com o artigo 15 da Lei de Patentes, que prevê que uma patente para uma invenção só pode ser concedida a uma pessoa que:

  1. é o inventor; ou
  2. teria, mediante a concessão de uma patente para a invenção, o direito de ter a patente atribuída à pessoa; ou
  3. deriva o título de invenção do inventor ou de uma pessoa mencionada na alínea b); ou
  4. é o representante legal de uma pessoa falecida referida nas alíneas a), b) ou c).

Em particular, o Comissário afirmou que, no que se refere:

  • ao artigo 15(1)(b) “[é] uma observação não controversa de que a lei não reconhece atualmente a capacidade de uma máquina de inteligência artificial de atribuir propriedade”;
  • ao artigo 15(1)(c), uma inteligência artificial não poderia ter nenhum interesse benéfico em propriedade, e requer um título que passe do inventor a uma outra pessoa, o que, na realidade, não existe no caso em apreço.

O Dr. Thaler requereu a revisão judicial da decisão do Comissário.

Numa situação inédita no mundo inteiro, um juiz do Tribunal Federal da Austrália concluiu que a inteligência artificial (IA) é capaz de ser um inventor ao abrigo do regime de patentes australiano.

A decisão

O Juiz Beach concluiu que não havia “nenhuma disposição específica [na Lei de Patentes] que expressamente exclua a possibilidade de que um sistema de inteligência artificial possa ser um inventor” e, nestas circunstâncias, a IA pode ser um inventor.

Embora o Comissário de Patentes tenha procurado enfatizar as definições de dicionário do “inventor” (dado que o “inventor” não está definido na Lei), o Juiz Beach não ficou convencido. Disse, tendo em conta a natureza evolutiva das invenções patenteáveis e dos seus criadores que, em vez de “recorrer aos antigos usos milenares dessa palavra, (...) [ele] precisa[va] restringir-se à ideia subjacente, reconhecendo a natureza evolutiva das invenções patenteáveis e de seus criadores. Nós tanto fomos criados como criamos. Por que razão as nossas próprias criações também não poderiam criar?”

Para o efeito, o Juiz Beach reconheceu o papel extensivo da IA na pesquisa farmacêutica, como exemplo da sua contribuição inventiva e técnica, que indicou que não deveria ser adotada uma visão estreita do “inventor”. Embora, como “computador”, um inventor, é um substantivo de agente (e um agente pode ser uma pessoa ou uma coisa) que originalmente só pode ter sido usado para descrever humanos, quando apenas humanos eram capazes de fazer invenções, o termo agora é adequado para descrever máquinas que executam a mesma função, afirmou.

DABUS (ou Device for the Autonomous Bootstrapping of Unified Sentience – Dispositivo para o Bootstrapping Autônomo da Senciência Unificada) é um sistema de IA que foi designado como o inventor pelo Requerente, o Dr. Stephen Thaler, no âmbito de um pedido internacional apresentado ao abrigo do Tratado de Cooperação de Patentes, designando a Austrália. A alegada invenção foi o resultado do DABUS. (Imagem: Cortesia do Dr. Stephen Thaler)

Nestas circunstâncias, não existe base para impedir que a IA possa ser um “inventor” no sentido dado pela Lei de Patentes, ou para “impedir uma classe de invenções patenteáveis de outro modo de patenteabilidade com base numa exclusão que não seja aparente nas palavras expressas da Lei. Com efeito, esta seria a antítese da promoção da inovação”.

Quanto aos argumentos do Comissário relativos ao artigo 15 da Lei, que descreve a quem pode ser concedida uma patente, o Juiz Beach disse que considerou “curiosa”a dependência do Comissário às disposições desse artigo, porque o pedido só estava na fase das formalidades, o que apenas exigia que o “inventor” fosse nomeado, e não estava nem perto da fase de concessão.

Não-obstante, o Juiz Beach analisou o artigo 15 da Lei. Disse que, em princípio, o Dr. Thaler é capaz de ter direito a uma patente em relação a uma invenção feita por IA, como o DABUS, nos termos, ao menos, dos artigos 15(1)(c) e possivelmente 15(1)(b).

Esta decisão constitui mais um capítulo do debate global sobre a questão de saber se a legislação e as políticas em matéria de patentes devem adaptar-se para reconhecer o caráter evolutivo do contexto da inovação.

Quanto ao artigo 15(1)(b), o Juiz Beach disse que o Dr. Thaler poderia enquadrar-se no artigo 15(1)(b). Afirmou que este artigo trata de um futuro condicional, e que não requer absolutamente a existência de um inventor: tudo o que é exigido é que ele tenha o direito de ter a atribuição da patente, na eventualidade de haver uma concessão.

Voltando ao artigo 15(1)(c), disse que as primeiras impressões sugeriam que o Dr. Thaler se enquadrava nas disposições desse artigo, porque derivou o título para a invenção do DABUS. Apesar de o DABUS não ser uma pessoa jurídica que não pode atribuir legalmente a invenção, o título ainda pode ser derivado do DABUS por causa de sua posse do DABUS, sua propriedade dos direitos de autor no código-fonte do DABUS, e sua propriedade e posse do computador no qual reside.

Dada a importância global dessa questão e a posição contrária do Tribunal Federal Australiano relativamente a outros tribunais em todo o mundo, esperamos com interesse o resultado do recurso interposto pelo Comissário Australiano de Patentes em 30 de agosto de 2021.

A Revista da OMPI destina-se a contribuir para o aumento da compreensão do público da propriedade intelectual e do trabalho da OMPI; não é um documento oficial da OMPI. As designações utilizadas e a apresentação de material em toda esta publicação não implicam a expressão de qualquer opinião da parte da OMPI sobre o estatuto jurídico de qualquer país, território, ou área ou as suas autoridades, ou sobre a delimitação das suas fronteiras ou limites. Esta publicação não tem a intenção de refletir as opiniões dos Estados Membros ou da Secretaria da OMPI. A menção de companhias específicas ou de produtos de fabricantes não implica que sejam aprovados ou recomendados pela OMPI de preferência a outros de semelhante natureza que não são mencionados.