Publicação global pós-COVID: Entrevista com Bodour Al Qasimi

Junho de 2021

Catherine Jewell, Divisão de Informação e Divulgação Digital, OMPI

Em janeiro de 2021, Sheika Bodour bint Sultan Al Qasimi iniciou o seu mandato de dois anos como Presidente da Associação Internacional de Editores (IPA, na sigla em inglês). Al Qasimi, mãe de quatro filhos, fundadora do Grupo Kalimat, editora pioneira dos Emirados Árabes Unidos (EAU), e ardente campeã da diversidade e inclusão, analisa o trabalho da IPA e os desafios enfrentados pelas editoras na era pós-COVID.

O que significa para você ser a primeira mulher do Oriente Médio e apenas a segunda mulher a liderar a IPA?

“A IPA está no seu ponto mais relevante nos dias de hoje. Quando
chegou a COVID-19, a IPA liderou uma resposta coletiva e um plano de
recuperação que captou e partilhou as experiências dos editores e de
contramedidas inovadoras,” diz a Presidente da IPA, Bodour Al Qasimi.
(Foto: Ivana Maglione)

Sinto-me muito honrada, mas estou consciente da grande responsabilidade que vem com este papel. É importante para mim trazer maior diversidade e inclusão ao mundo editorial, pelo que o meu objetivo é liderar pelo exemplo. Imbuindo a IPA com diferentes vozes, experiências e culturas é fundamental para a sua relevância e o seu sucesso. Isto significa ouvir, colaborar e responder aos nossos membros e parceiros em todo o mundo. Quando estamos unidos nos nossos objetivos, nossa voz é mais forte e temos mais probabilidades de alcançar nossos objetivos. Isto nunca foi tão verdadeiro como no mundo pós-COVID.

Que papel desempenha a IPA no mundo da edição?

Penso que a IPA se encontra no seu ponto mais relevante hoje em dia. Quando chegou a COVID-19, a IPA liderou uma resposta coletiva e um plano de recuperação que capturou e partilhou as experiências dos editores e contramedidas inovadoras. Agora, estamos unificando a voz e a visão do ecossistema editorial através do nosso plano Internacional de Publicação Sustentável e Resiliência Industrial (InSPIRe, na sigla em inglês) e da Academia IPA, um portal de aprendizagem on-line, que está em fase de desenvolvimento. Essas iniciativas permitirão que os editores melhorem as suas capacidades e controlem melhor as suas transformações digitais. O guarda-chuva unificador da IPA tornou possível esta abordagem positiva e coletiva.

O novo normal apresenta um desafio para muitos editores. Embora muitos tenham respondido à mudança para a aprendizagem e leitura em linha, uma compreensão completa das novas tendências editoriais requer bons dados. Estamos trabalhando em estreita colaboração com a OMPI para recolher estatísticas editoriais globais de qualidade, mas uma maior cooperação na pesquisa e na coleta de dados de todos os mercados permitirá uma compreensão mais ampla das novas correntes.

A mudança para formatos digitais exige que os editores façam grandes investimentos e implica em riscos porque a pirataria on-line é um grave problema de nível mundial. É por isso que apoiamos os nossos membros em petições aos governos para reforçar a proteção e aplicação dos direitos de autor. Também representamos todos os editores na OMPI e em outros fóruns internacionais relevantes.

Qual tem sido o impacto da pandemia na indústria editorial?

O relatório de 2020 da IPA, From Response to Recovery (Da Resposta à Recuperação), mostra claramente que os mercados com infraestruturas de comércio eletrônico existentes e uma cultura de leitura desenvolvida resistiram à tempestade muito melhor do que os desprovidos desses elementos. A pandemia expôs uma grande lacuna que temos de colmatar, se quisermos assegurar o crescimento futuro da indústria. Existe um claro consenso em todo o ecossistema editorial mundial de que somos mais fortes quando trabalhamos como um todo coeso. Mercados em que autores, editoras, livreiros e governos se uniram durante a pandemia para estabilizar e fortalecer o ecossistema editorial estão dando sinais de uma recuperação mais rápida. O apoio às coligações construídas durante a adversidade é central para a recuperação em andamento da indústria e para a sua futura resiliência.

Como a IPA apoia o desenvolvimento de um setor editorial mais inovador e sustentável?

Durante a pandemia, muitos governos viram a publicação como um setor “não-essencial” e negaram aos editores auxílios estatais vitais. Foi um alerta para a indústria e salientou a necessidade urgente de redobrar esforços para educar os decisores políticos sobre a profunda contribuição que os editores dão à educação, à pesquisa e ao desenvolvimento cultural. A nossa sustentabilidade depende disto.

Temos também de gerir a recuperação da indústria de uma maneira equilibrada. A pandemia expôs fragilidades em alguns mercados e pontos fortes em outros. Ao oferecer apoio direcionado para os países mais atingidos através do nosso plano InSPIRe, todos nós seremos beneficiados.

A identificação de tendências de consumo a longo prazo será fundamental para a viabilidade duradoura do setor. É por isso que estamos desenvolvendo sistemas de coleta de dados fiáveis para uma melhor compreensão das tendências do mercado. Isto permitirá aos editores construírem estratégias mais eficazes e à prova do futuro nos seus negócios. Este desafio está ligado à necessidade urgente de apoiar as editoras, especialmente as pequenas e médias editoras, que constituem a maioria do nosso setor, na digitalização das suas operações.

A IPA também se orgulha de ter desenvolvido o Compacto de Editores com Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que permite aos editores assinalar o seu compromisso com a sustentabilidade.

“Comecei o PublisHer em 2019, porque vi uma clara necessidade de um esforço organizado para abordar as desigualdades que as mulheres enfrentam no setor editorial”, explica a Sra. Al Qasimi. (Foto: Ivana Maglione)

Como você vê a indústria editorial evoluindo nos próximos anos?

O digital é claramente o caminho para o futuro. O nosso relatório From Response to Recovery mostra que o fluxo de trabalho e a distribuição digital fizeram toda a diferença para permitir aos editores resistir à tempestade pandêmica. A transformação digital é também fundamental para permitir que as editoras produzam livros em formatos acessíveis. No entanto, muitas regiões carecem de saber como dar o salto para o digital. Através da Academia IPA e de iniciativas como o Círculo de Editores da OMPI, estamos compartilhando as melhores práticas e ajudando editoras de todo o mundo a fazerem a transição para o digital.

O digital é claramente o caminho para o futuro.

No entanto, a ascensão do digital não significa necessariamente a morte da impressão. Em resposta a provas convincentes de que as pessoas aprendem de forma diferente a partir dos recursos digitais e em papel, as editoras educativas têm vindo a produzir recursos híbridos para apoiar todo o tipo de aprendizes desde já há algum tempo. O nosso relatório de 2020, Papel e Digital: Investigação atual sobre a eficácia dos materiais de aprendizagem, oferece uma perspectiva detalhada desta questão.

A defesa dos direitos de autor é um dos pilares do trabalho da IPA. Quais são, na sua opinião, as questões mais importantes em matéria de direitos de autor que necessitam ser abordadas?

Os direitos de autor e a sua aplicação efetiva são vitais para uma indústria editorial sustentável. Um freio às editoras que se tornam digitais na África, por exemplo, é o receio que têm de que a devastadora pirataria de impressão que enfrentam seja ainda pior se passarem à edição digital. A nossa indústria está em constante mudança e adaptação, e os editores precisam de um âmbito legal claro para o fazerem com confiança. Os direitos exclusivos adequados estabelecidos nos tratados da OMPI são essenciais para permitir que os editores produzam e distribuam livros em todos os formatos, e a aplicação efetiva prova que esses direitos são inalienáveis.

Os direitos de autor e a sua aplicação efetiva são vitais para um setor editorial sustentável.

Fale-nos sobre o trabalho da IPA na área da alfabetização.

A alfabetização tem sido sempre importante para a IPA. Temos uma equipe de alfabetização, supervisionada por Gvantsa Jobava, da Geórgia. Nosso relatório Reading Matters (Ler é Importante) apresenta muitas das iniciativas de alfabetização que estão sendo geridas por membros individuais da IPA em todo o mundo. A alfabetização aplica-se a tantas coisas. Vai muito além da aprendizagem da leitura e da escrita. É vital para a compreensão do mundo e para a tomada de decisões informadas. A alfabetização confere às pessoas esses elementos.

O que levou você a criar o PublisHer?

Iniciei o PublisHer em 2019 porque vi uma clara necessidade de um esforço organizado para abordar as desigualdades que as mulheres enfrentam na publicação. O PublisHer emprega muito mais mulheres do que homens − as mulheres constituem cerca de dois terços dos funcionários nas empresas editoriais do Ocidente − no entanto, os homens ocupam uma parte desproporcional dos papéis mais importantes e mais bem pagos.

Um inquérito realizado em 2018 no Reino Unido revelou que a diferença salarial entre homens e mulheres chegava a ser de 30% em algumas empresas. Estas disparidades são ainda mais preocupantes, tendo em conta o profundo leque de mulheres talentosas entre as quais se pode escolher e promover.

O PublisHer é uma tentativa de mobilizar a vontade e o espírito inovador das numerosas mulheres inteligentes e competentes no setor do livro para o bem coletivo. Quero que o PublisHer esteja no centro de uma rede global em que as mulheres encontrem e forneçam apoio, e em que as boas ideias possam ser divulgadas, revistas por pares e aperfeiçoadas.

O evento da OMPI em 2019, Empowering Women in the Publishing Industry (Capacitação de Mulheres no Setor Editorial) foi uma etapa extremamente positiva. A IPA e eu esperamos que possamos construir a partir dessas bases.

Como você ingressou no setor editorial?

Sempre me interessei muito pela literatura, em parte devido à minha educação em Sharjah, que é reconhecida como a capital cultural dos Emirados Árabes Unidos. Sharjah está impregnada de livros e aprendizagem, por isso penso que teve um grande impacto nas minhas opções de vida.

Comecei a publicar e iniciei a editora do Grupo Kalimat após uma conversa com a minha filha mais nova, que se tinha queixado de que os livros infantis árabes eram antiquados. Ela tinha razão em muitos aspectos. Essa conversa levou-me a começar a criar livros infantis lindamente ilustrados em árabe. Desde então, passamos à literatura para jovens adultos e leitores com mais idade.

Tenho o prazer de dizer que o Grupo continua a crescer e já publicou mais de 400 livros em 15 países. Muitos deles foram também traduzidos, o que é muito gratificante, pois mostra que estamos partilhando a nossa criatividade e cultura - algo que é muito importante para mim. Estamos agora também publicando livros de aprendizagem precoce para crianças, histórias em quadrinhos e livros de culinária. No futuro, o Kalimat irá concentrar-se mais no seu conteúdo digital, comércio eletrônico e marketing on-line. Ao mesmo tempo, continuaremos a ampliar o nosso sucesso, a expandir-nos para novos mercados e a continuar a apoiar e promover o talento da região.

Qual é a sua mais importante realização até hoje?

Sou inspirada no meu trabalho como mãe e como editora, e mais recentemente pelo meu papel como Presidente da IPA. São, naturalmente, realizações distintas, mas eu as vejo como um percurso, com a alfabetização e a aprendizagem no seu âmago. Os livros e a leitura são a pedra angular do conhecimento, da compreensão, da educação e da imaginação. Desempenhar estes papéis permitiu-me destacar a importância dos livros, da leitura e da edição, não unicamente para os meus próprios filhos, mas espero que para um público global mais vasto. Este trabalho é significativo para mim porque significa que estou em condições de ajudar os outros e de assegurar que a alfabetização, a leitura e a educação se mantenham no centro da indústria editorial.

Em 2018, a Fundação Kalimat assinou um acordo com o Consórcio Accessible Books (ABC, na sigla em inglês) para a produção de livros editados em formato acessível. O que a levou a fazer isto?

Esta iniciativa está ligada ao papel determinante da Fundação Kalimat de fazer dos livros um direito fundamental, em qualquer parte do mundo, independentemente das circunstâncias. Todas as crianças devem ter acesso aos livros para adquirir conhecimentos e assegurar a sua educação. A escassez de livros árabes em braille, em letras graúdas e em formatos áudio levou-nos ainda mais a assinar este acordo. A parceria da Kalimat com o ABC permitiu-nos identificar crianças de língua árabe que precisavam da nossa ajuda em todo o Oriente-Médio e no Norte da África em particular, mas também aquelas que foram deslocadas para outras partes do mundo. Até hoje, a Fundação Kalimat produziu 30.000 livros acessíveis e distribuiu 5.000 deles a nível local, regional e internacional. Mais importante talvez, em colaboração com o ABC, fomos a primeira organização na região a facilitar a formação e a organização de oficinas técnicas para editoras árabes. A partilha de conhecimentos e perícia é inestimável, e fez com que as editoras da região refletissem sobre a forma de tornar os seus livros acessíveis a todos. As nossas atividades afirmam este direito universal e ajudam as pessoas a moldarem o seu próprio futuro e a se tornarem membros produtivos das suas comunidades.

Em 2020, em nome da Fundação Kalimat, a Sra. Al Qasimi assinou um acordo com o Accessible Books Consortium da OMPI. A parceria está ajudando a resolver o problema da escassez de livros árabes em formatos acessíveis. Até agora, a Fundação Kalimat já produziu 30.000 livros acessíveis. (Foto: Maica / E+ / Getty Images Plus)

O que mais lhe agrada na atividade editorial?

Os livros são a minha paixão, por isso sinto-me muito afortunada por trabalhar neste setor. A sua importância e o papel deste setor na educação, em dar voz aos sem voz, e em dar poder a milhões de pessoas para sonharem, não podem ser sobrestimados. Os livros têm o poder de criar compreensão e harmonia entre as culturas, o que só é obtido através do diálogo e do respeito mútuo. Neste sentido, a publicação tem um papel a desempenhar na paz e na estabilidade. Sou também apaixonada pela forma como a publicação está liderando o caminho na diversidade e na inclusão. Embora ainda haja espaço para aperfeiçoamentos, em comparação com outros setores, a nossa indústria oferece um exemplo positivo de diversidade e inclusão e está ajudando a criar um mundo melhor e mais justo.

Qual é seu autor favorito e o que está lendo atualmente?

Estou atualmente lendo Les Damnés de la Terre, de Frantz Fanon. Como editor internacional, estou exposta a uma variedade de autores e assuntos, e os meus gostos de leitura são ecléticos. Gosto de todos os gêneros, e tento acompanhar os últimos lançamentos. Recentemente publiquei traduções em árabe de vários autores africanos, cujos livros eu tinha apreciado em inglês. Também li muita literatura sobre misticismo e espiritualidade. Adoro ler ficção de autores femininos em particular, pois muitas vezes dá-me uma visão sobre outras culturas e vidas, o que acho fascinante.

A Revista da OMPI destina-se a contribuir para o aumento da compreensão do público da propriedade intelectual e do trabalho da OMPI; não é um documento oficial da OMPI. As designações utilizadas e a apresentação de material em toda esta publicação não implicam a expressão de qualquer opinião da parte da OMPI sobre o estatuto jurídico de qualquer país, território, ou área ou as suas autoridades, ou sobre a delimitação das suas fronteiras ou limites. Esta publicação não tem a intenção de refletir as opiniões dos Estados Membros ou da Secretaria da OMPI. A menção de companhias específicas ou de produtos de fabricantes não implica que sejam aprovados ou recomendados pela OMPI de preferência a outros de semelhante natureza que não são mencionados.