Sustentabilidade na economia circular

Março de 2020

Cecelia Thirlway, redatora freelance

Em Back to the Future II, a icônica máquina do tempo DeLorean do Dr. Emmet Brown, havia sido modificada para funcionar com lixo doméstico. Essa imaginada inovação futura, retratada como acontecendo em 2015, já está pelo menos cinco anos atrasada. Mas, embora o abastecimento de veículos com cascas de banana e sacos de plástico ainda não esteja no horizonte, há inovações revolucionárias sendo feitas no mundo dos resíduos.

Quando começarmos a perceber os resíduos como recursos de igual - ou até maior - valor do que os utilizados para criá-los, teremos fechado o ciclo e criado uma economia verdadeiramente circular. (Foto: HoWei / GettyImages)

Sem ação urgente, a geração global anual de resíduos subirá para 3,4 bilhões de toneladas até 2050, um aumento de 70% em relação aos níveis de 2018, de acordo com o Banco Mundial. Enquanto mais de um terço dos resíduos em países de alta renda é recuperado através de reciclagem e compostagem, apenas 4% dos resíduos em países de baixa renda são reciclados.

Se conseguirmos enfrentar o problema da reciclagem, também poderemos ganhar terreno para resolver a crise climática e a perda associada de habitats preciosos. Quanto mais recursos virgens utilizamos, mais danificamos o nosso planeta. O Fórum Econômico Mundial pdf (FEC) estima que "a extração e o processamento de recursos por si só causam mais de 90% da perda global de biodiversidade e estresse hídrico, e cerca da metade dos efeitos das mudanças climáticas globais".

Ao reduzir nossa dependência da extração de petróleo e minerais, podemos evitar a geração de altos níveis de emissões e, com isso, ajudar a restaurar os ecossistemas enfermos do nosso planeta. E há uma oportunidade aqui. Como observado pelo FEC: "O uso inteligente de recursos e modelos empresariais que não dependem da extração de recursos naturais são um enorme campo inexplorado para a inovação e para um novo modelo de crescimento."

O lixo de uma pessoa é o tesouro de outra

A chave para criar sistemas totalmente sustentáveis, de ciclo fechado, em que os recursos são reutilizados, reciclados e nunca descartados, está no seu valor econômico. Quando começarmos a perceber os resíduos como recursos de valor igual – ou até maior – do que aqueles utilizados para criá-los, teremos fechado o ciclo e criado uma economia verdadeiramente circular. Esta não é uma ideia nova. Por exemplo, no século XVII, os produtores de whisky começaram a reutilizar barris de carvalho que traziam xerez da Espanha para seus portos. Era uma solução muito mais barata para eles do que comprar carvalho novo, e fazia pouco sentido mandar barris vazios de volta para a Espanha para serem reabastecidos. Os benefícios do sabor desta abordagem só foram descobertos mais tarde.

Da mesma forma, a legislação promulgada nos Estados Unidos em 1935 para proteger a indústria da tanoaria tornou ilegal o uso de barris de Bourbon mais de uma vez. Isto transformou os barris de Bourbon usados em um fluxo de resíduos, e resultou em uma grande proporção de uísque no Reino Unido (onde os barris podem ser reutilizados com a frequência que a madeira permite) agora sendo envelhecidos em barris de carvalho americano.

Mas como aplicar esses princípios aos materiais mais difíceis de serem reutilizados? Em 2016, o mundo gerou 242 milhões de toneladas de resíduos plásticos, levando muitos a ver o plástico como um material problemático.

Os resíduos plásticos estão desordenando nossos oceanos, e os microplásticos estão entrando nos ecossistemas naturais e na cadeia alimentar a um ritmo alarmante. Muitos países e cidades no mundo inteiro já reduziram drasticamente o uso de sacos plásticos, seja cobrando diretamente dos clientes para usá-los, seja tributando os varejistas que fornecem sacos plásticos aos seus clientes. Além disso, iniciativas como Sky’s Ocean Rescue (Resgate Oceânico do Céu), no Reino Unido, e Plastic Free July (Julho Livre de Plástico), na Austrália, estão incitando empresas e consumidores a eliminarem de suas vidas o plástico de uso único.

Mas será que ficar completamente livre de plástico é a resposta? O plástico é um material altamente versátil e nem sempre é fácil encontrar alternativas adequadas. Além disso, é importante garantir que as alternativas desenvolvidas não criem novos resíduos ou problemas de emissões. Uma opção poderia ser encontrar uma melhor maneira de gerir o plástico que já temos.

"O maior problema que temos é que as pessoas agora estão taxando o plástico de demônio, que traz morte e desgraça", diz o Professor Martin Atkins, Presidente Executivo da Green Lizard Technologies. "Mas, na verdade, se forem considerados os benefícios do plástico, eles superam em muito qualquer outra coisa com que possamos embalar e transportar nossa comida, por exemplo. O único problema com o plástico é que não sabemos como tratá-lo como resíduo de forma adequada".

A Green Lizard Technologies, uma empresa associada da Queen's University Belfast, tem como atividade principal encontrar soluções verdes e sustentáveis para problemas industriais. Sua solução para resíduos plásticos é um processo que converte resíduos de PET (tereftalato de polietileno) em BHET (Bis(2-Hidroxietil) tereftalato), um composto orgânico que agora está sendo comercializado através da Poseidon Plastics UK.

"Muitas pessoas estão apenas queimando plástico para recuperar a energia, e isto é a pior coisa que se pode fazer, porque gera dióxido de carbono (CO2) e, na verdade, não se recebe tanta energia de volta. Desenvolvemos um processo que leva o plástico de volta aos combustíveis, aos produtos químicos e aos solventes para dar-lhes usos secundários e terciários e convertê-los em produtos. São produtos que poderiam ser fabricados de outra maneira, mas assim fica muito mais barato porque está sendo usada uma matéria-prima que é classificada como resíduo".

O elemento crucial de um processo como o da Green Lizard é que as saídas podem ser reutilizadas para um propósito de valor igual ao anterior.

O Professor Atkins destaca que, embora a gestão de resíduos plásticos seja um desafio, a sua substituição na cadeia de suprimentos de alimentos pode resultar em maiores emissões de transporte de embalagens mais pesadas (por exemplo, vidro), ou maior desperdício de alimentos. Mas, se o plástico descartado pudesse ser reutilizado de uma forma economicamente viável, isso mudaria tudo.

"A partir do momento em que colocarmos um valor no plástico, o problema desaparecerá, a meu ver, porque as pessoas o verão como um recurso e não como um problema".

Reciclagem versus eliminação

A Reswirl, empresa que fabrica escovas de dentes, desenvolveu uma
escova de dentes manual e cabeçotes substituíveis para escovas de
dentes elétricas que, uma vez gastas, podem ser devolvidas à empresa
para serem reformadas em escovas novas. (Foto: Cortesia da Reswirl)

Conway Daw da empresa de fabricação de escovas de dentes Reswirl concorda: "Muito plástico que é mandado para reciclagem não é realmente reciclado, é eliminado. É cortado e transformado em material de qualidade inferior, virando bancos de jardim ou latas de irrigação ou barras, o que lhe dá um segundo uso, mas não é um ciclo contínuo. Vai acabar em local de aterro, no final.”

A Reswirl está desenvolvendo uma escova de dentes manual e cabeçotes substituíveis para escovas de dentes elétricas que, uma vez desgastadas, podem ser devolvidas à empresa para serem reformadas em novas escovas. O material e o processo de reciclagem que utilizam garantem que suas saídas possam ser utilizadas repetidamente. E mesmo que as escovas de dente acabem em canais normais de resíduos, os cabos se biodegradam de maneira positiva, porque são feitos de um material biodegradável chamado PHA (Polyhyeroxyalkanoate).

A Reswirl depositou um pedido de patente para o seu processo de reciclagem e material, mas, como designer experiente, Conway Daw pensa que o processo de patenteamento poderia colocar maior ênfase no fim de vida de um produto.

"Acredito firmemente na responsabilidade de levar em conta não apenas como algo é feito, mas como esse algo é desfeito, no final de sua vida. Para pedidos de patente para coisas, processos ou compostos que facilitem a reutilização ou reciclagem, talvez possa haver critérios adicionais para exame".

Metais de base

"Um material que tem sido reciclado com sucesso há mais de um século é o chumbo – como um metal caro com uma série de usos diferentes, seu valor significa que vale a pena o esforço para recuperar o máximo possível. Mas isso traz seus próprios problemas", diz o Dr. Athan Fox, da empresa de reciclagem Aurelius Environmental.

"Muitas pessoas não percebem isso, mas a bateria de chumbo ácido é, na verdade, o produto de commodity reciclado com mais sucesso do mundo. A bateria está contida em um invólucro de plástico, que é reciclado, e este plástico tem interesse econômico, sendo seu valor preservado até o novo plástico. Depois, há um eletrólito: um ácido que normalmente é neutralizado e convertido em um sal de valor agregado que pode ser usado em várias aplicações industriais. E depois, há o metal de chumbo, que está em uso em baterias desde 1850".

(Foto: AvigatorPhotographer/GettyImages)

No momento em que colocarmos um valor no plástico o problema desaparecerá, a meu ver, porque as pessoas o verão como um recurso e não como um problema.

Martin Atkins, Presidente Executivo da Green Lizard Technologies.

Embora isto possa parecer um exemplo perfeito da economia circular na prática, a indústria que recicla o chumbo das baterias é altamente poluente, em parte, porque o processo é caro e de alto consumo de energia, emitindo grandes quantidades de CO2.

A Aurelius Environmental foi pioneira num processo que permite recuperar o material ativo em baterias, o chamado "leady oxide", enquanto reduz as emissões de carbono em mais de 85%. Este processo de desperdício zero ocorre em água fria e não em um forno, reduzindo assim substancialmente o uso de energia.

"Em nosso processo, o material ativo antigo é convertido em um novo material ativo diretamente, sem ter que passar pelo processo de refinamento e conversão de materiais a jusante", continua o Dr. Fox. "Mas a grande vantagem é que o material ativo que produzimos através do processo de reciclagem tem uma maior porosidade e se presta a baterias superiores, que são mais densas em energia do que as baterias produzidas a partir de chumbo metálico extraído".

Isso fornece um poderoso motor econômico para a indústria adotar este novo processo e ajuda a explicar por que a Aurelius Environmental está atualmente negociando licenças em todos os mercados-chave no mundo inteiro.

Escassez e abundância

Os resíduos são parcialmente motivados pela abundância: quando os recursos são abundantes, tornam-se baratos, por isso não os valorizamos o suficiente e deixamos que caiam fora de uso. A escassez próxima de alguns dos recursos de que dependemos - como o petróleo – aliada a uma compreensão crescente dos problemas causados pelos resíduos em aterros sanitários, estão começando a impulsionar a inovação sobre a maneira como usamos e reutilizamos os recursos naturais. No entanto, a questão de saber se tal escassez está impulsionando a inovação suficientemente depressa, particularmente no contexto das alterações climáticas, é uma outra história.

Por vezes, os motores da inovação em torno dos resíduos não estão relacionados com a escassez, mas é o contrário que ocorre. A empresa de Eoin Sharkey, a BioFactory, está trabalhando em uma solução para os problemas de saúde causados por instalações sanitárias insalubres nos países em desenvolvimento.

A BioFactory está concebendo soluções sanitárias para uso em campos de refugiados e comunidades rurais na África. A sua latrina tudo-em-um e unidade de processamento de resíduos utiliza a bio-digestão para converter os resíduos humanos em combustível de cozinha e condicionador de solo. (Foto: Cortesia da BioFactory)

"Latrinas de fossa básicas proporcionam o ambiente ideal para o crescimento de patógenos, são realmente difíceis de limpar, e muitas vezes são negligenciadas e transbordam para fontes de águas subterrâneas, o que causa todo tipo de problemas", diz o Sr. Sharkey. "Mas, uma das coisas que descobrimos é que o custo de construção e manutenção de banheiros é um problema enorme".

Para resolver esse problema, o Sr. Sharkey passou o último ano a conceber um sistema de sanitários que utiliza uma forma de bio digestão para converter os resíduos humanos em combustível - o biogás. O processo para obter esse resultado não é novo, mas a tentativa de o tornar economicamente viável sempre foi algo complicado.

"O problema do saneamento é com frequência uma questão empresarial e não uma questão de tecnologia. Muitas outras empresas de saneamento recolhem os resíduos e os transportam para uma fábrica de processamento de resíduos, criam os seus subprodutos e depois os vendem de volta aos utilizadores. Por isso, construímos um sanitário comunitário e um sistema de processamento de resíduos que faz tudo num só lugar".

Ao substituir parte do carvão vegetal utilizado como combustível por 80% das populações na África por biogás, o sistema da BioFactory está ajudando a eliminar alguns dos problemas de saúde causados pela fumaça do carvão vegetal, como a pneumonia e o câncer de pulmão. Além disso, ao oferecer uma fonte de combustível alternativa sustentável, o sistema está ajudando a evitar o desmatamento que ameaça muitos países africanos.

"Estamos lançando um projeto piloto em Moçambique para fornecer sanitários para 150 a 250 pessoas que atualmente não têm acesso às instalações básicas, e através desse projeto poderemos fornecer biogás ao mesmo preço pela mesma quantidade de energia que o carvão vegetal. Inicialmente vamos experimentar isto nas escolas".

Que seja a redução das emissões do processo de reciclagem, criando valor a partir de um material anteriormente sem valor, ou encontrando formas economicamente viáveis de desviar os resíduos dos aterros, é evidente que a inovação em torno dos resíduos está ocorrendo no mundo inteiro. Mas o relatório mais recente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) demonstrou que simplesmente não temos tempo a perder com resíduos. Precisamos mudar nossa atitude global. Precisamos ver cada porção de resíduo como uma oportunidade perdida de reutilizar um recurso. 

Como disse Dame Ellen MacArthur, marinheira global e criadora da Fundação Ellen MacArthur: "Já remamos muito no passado, mas precisamos remar muito mais no futuro porque essa oportunidade de economia circular está ali à espera de poder se realizar, cabendo a nós permitir-lhe que se realize".

A Revista da OMPI destina-se a contribuir para o aumento da compreensão do público da propriedade intelectual e do trabalho da OMPI; não é um documento oficial da OMPI. As designações utilizadas e a apresentação de material em toda esta publicação não implicam a expressão de qualquer opinião da parte da OMPI sobre o estatuto jurídico de qualquer país, território, ou área ou as suas autoridades, ou sobre a delimitação das suas fronteiras ou limites. Esta publicação não tem a intenção de refletir as opiniões dos Estados Membros ou da Secretaria da OMPI. A menção de companhias específicas ou de produtos de fabricantes não implica que sejam aprovados ou recomendados pela OMPI de preferência a outros de semelhante natureza que não são mencionados.