Julius K-9®: Aproveitando a inovação para satisfazer as necessidades dos apreciadores de cães

Junho de 2021

Catherine Jewell, Divisão de Informação e Divulgação Digital, OMPI

A marca húngara Julius K-9® é conhecida entre os donos de cães por seus arreios, trelas e outros acessórios de alta qualidade. O fundador, Gyula Sebő, iniciou a empresa em sua garagem em Budapeste, Hungria, em 1997. Apesar de alguns altos e baixos, a empresa tornou-se desde então um fabricante e distribuidor líder de arreios e acessórios, fornecendo aos amantes de cães em todo o mundo equipamentos inovadores. Gyula Sebő explica por que é tão importante para empresas como a Julius K-9® ter uma estratégia de PI cuidadosamente elaborada desde o primeiro dia.

“Há vinte e cinco anos, nós nos demos conta de que precisávamos de um equipamento bem projetado que possibilitasse aos proprietários de cães aproveitarem da melhor forma possível a convivência com seu cão, um objetivo que continua sendo fundamental para nós,” diz Gyula Sebő, fundador e CEO da Julius K-9®. (Foto: Cortesia da Julius K-9®).

Conte-nos como você chegou a criar a Julius K-9®.

Criei a empresa com minha esposa, Anikó Bakos, em 1997. Partimos de nossa garagem em verdadeiro estilo start-up. Eu tinha trabalhado como treinador de cães voluntário por algum tempo na Áustria, treinando cães policiais. Durante esse tempo, notei que embora o treinamento fosse altamente profissional, o equipamento era bastante básico. Embora fosse uma área de nicho na época, eu percebi que havia uma lacuna no mercado. Treinei como seleiro para aprender a fazer arreios e foi assim que entrei na fabricação de arreios para cães e vim para montar a empresa. Nossos primeiros clientes foram a polícia e as empresas de segurança. Trabalhar com cães de serviço significava que podíamos desenvolver equipamentos especiais. Na verdade, fomos a primeira empresa na Europa a fabricar coletes à prova de balas para cães. Mas, mais tarde, decidimos nos concentrar no mercado consumidor. Não queríamos ser vistos lucrando com situações de conflito e também reconhecemos o poder emocional dos cães e o companheirismo que oferecem às pessoas. Estou convencido de que se nossos amigos caninos de quatro patas pudessem falar, eles nos diriam que as pessoas merecem ser amadas! Dediquei minha vida a inovações no bem-estar dos animais de companhia. Para mim, a posse de cães significa cuidar e assumir responsabilidades. Em troca, os cães trazem alegria a nossas vidas. Vinte e cinco anos atrás, reconhecemos a necessidade de um equipamento bem projetado que permita aos proprietários aproveitar da melhor maneira possível a convivência com seu cão e continuamos comprometidos com esse objetivo.

“O principal benefício de minha experiência no lançamento de novos produtos durante a última década é proteger a inovação em todas as frentes, se possível, especialmente em termos de seu design e conteúdo técnico,” explica Gyula Sebő. (Foto: Cortesia da Julius K-9®)

Como surgiu o nome da sua empresa, Julius K-9®?

A escolha de um nome para a sua empresa é extremamente importante. Fizemos isto de uma maneira muito simples. Como estávamos exportando da Hungria para a Áustria e a Alemanha, escolhemos Julius, a versão alemã do meu nome, Gyula, e a combinamos com K-9, que se refere à Rua Kele 9, em Budapeste, onde moramos e onde adquiri meu primeiro cão.

Quais têm sido alguns dos maiores desafios que você enfrentou no desenvolvimento de sua empresa?

Tem havido muitos altos e baixos. Em meados dos anos 2000, por exemplo, a indústria têxtil e de couro húngara entrou em colapso por alguns anos, o que significou que o preço dos materiais que usamos para nossos arreios disparou. E, além disso, fomos apanhados em anos de litígio, até porque tivemos a má sorte de um representante ultramarino inescrupuloso que basicamente teve toda nossa gama copiada por um fabricante de baixo custo e substituiu todo o nosso estoque em cerca de 1.700 lojas em toda a Alemanha. Isto custou à empresa milhões de euros em prejuízos. Por isso, tomamos a decisão consciente de investir em nossa marca, implementar uma estratégia robusta de propriedade intelectual (PI) e nos concentrar na inovação contínua.

Por que é importante para empresas como a Julius K-9® pensar na proteção pela PI?

Quando se inicia uma empresa no mercado atual, você se encontra no meio de uma guerra comercial global e não pode entrar nesse campo de batalha desarmado. Foi o que experimentamos quando começamos nossa atividade empresarial em 1997, e é ainda mais o caso nos dias de hoje. Quando começamos a desenvolver nossos produtos, tínhamos muitas inovações técnicas, mas não sabíamos quais precisávamos proteger ou quais se tornariam mais tarde sucessos globais. Vimos que nossos concorrentes estavam de olho em nosso nome, então aproveitamos a primeira oportunidade para registrar nossa marca, para protegê-la. Apresentamos uma marca figurativa, que contém o nome da marca Julius K-9®. Acho que cometemos um erro. Deveríamos ter protegido “Julius” e “K-9” separadamente também. Se tivéssemos feito isto, teríamos muito menos problemas jurídicos hoje. Ao criar uma empresa, é realmente importante ter uma estratégia sólida de PI em aplicação e uma ideia clara dos ativos de PI que você vai proteger e como você vai protegê-los. Em minha experiência, o primeiro golpe vem quando você já criou valor em seus produtos e seus concorrentes e outros agentes do mercado veem uma oportunidade de lucrar com isso. É por isso que as empresas precisam ter uma estratégia de PI em aplicação para proteger e defender seus interesses comerciais desde a fase inicial.

A Julius K-99® abriu recentemente uma nova fábrica em Tiszafüred, Hungria. (Foto: Cortesia da Julius K-9®)

Como você tem utilizado a PI na sua empresa?

Depois de proteger nossa marca, começamos a nos concentrar na proteção de nosso conteúdo técnico. Isto era importante porque os imitadores estavam começando a utilizar nossos designs e nossos elementos técnicos e estavam efetivamente reduzindo nossa participação no mercado. Começamos então a proteger nossa segunda maior linha de produtos com modelos de utilidade, que são similares às patentes, mas mais fáceis de assegurar. Como os advogados de PI que abordamos não entendiam totalmente o que eu queria, fiz diferentes cursos de treinamento e penetrei no campo da propriedade industrial e aprendi como redigir pedidos de patentes e modelos de utilidade.

As patentes são importantes. Nós as usamos para proteger nossa tecnologia principal em múltiplos mercados. Na verdade, para atingir este objetivo, utilizamos o Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes, o que simplifica o processo. Mas em geral, o processo de patenteamento é complicado e caro, e você tem que esperar muito tempo para que uma patente seja concedida. Portanto, em nosso mercado em rápida evolução, estamos protegendo os novos elementos técnicos que criamos – alguns dos quais não se qualificariam para proteção de patentes de qualquer forma – com modelos de utilidade e direitos de design. A garantia destes direitos leva menos tempo e é mais barata.

Nosso enfoque está no desenvolvimento de inovações e projetos de alta qualidade, que nós os utilizemos de fato ou não. Em seguida, lançamos no mercado os melhores e mais relevantes projetos e conteúdos técnicos. Geralmente nos certificamos de que nossos novos produtos tenham designs marcantes, pois isso faz uma grande diferença para seu desempenho no mercado. Na verdade, nossos designs já ganharam muitos prêmios. Com direitos de design, podemos fornecer a nossos revendedores produtos que não podem obter de outras fontes, tendo a certeza de que estamos protegidos.

(Foto: Cortesia da Julius K-9®)

Durante muitos anos, fomos vítimas de nosso próprio sucesso. O extraordinário sucesso de nossa tradicional linha de produtos e os altos volumes de produção envolvidos no fornecimento dessa demanda significaram que não podíamos lançar nenhum produto novo. É por isso que, há dois ou três anos, mudamos de direção e começamos a automatizar a produção. Isto nos permitiu melhorar nossa produtividade, expandir nossa gama de produtos e responder à fome de inovação dos donos de cães, o que é importante porque são nossos principais clientes. Também implementamos uma abordagem tripla para a proteção da PI: protegemos a marca, o design e os elementos técnicos de nossas inovações. Utilizamos tanto o Sistema de Madri quanto o Sistema de Haia para proteger nossas marcas e desenhos, em diferentes mercados-alvo. Estes sistemas ofereceram-nos uma maneira fácil e econômica de atingir esse objetivo.

A infração é um problema?

Sim, é algo que levamos muito a sério. Temos uma pequena equipe que monitora constantemente as cerca de 50 maiores plataformas de varejo on-line para identificar produtos que possam estar infringindo nossos direitos de PI. Temos que fazer isso para evitar que produtos de preço mais baixo idênticos aos nossos, e talvez até com nosso nome, inundem o mercado. À medida que nossas vendas on-line aumentam, precisamos assegurar-nos de que nossa estratégia de PI seja eficaz e facilmente aplicável no mundo on-line. Assim, para nossos mercados on-line, estamos nos concentrando na proteção de marcas e desenhos, que são a melhor maneira de nos defendermos contra produtos falsificados.

À medida que nossas vendas on-line aumentam, precisamos garantir que nossa estratégia de PI seja eficaz e facilmente aplicável no mundo on-line.

Em que medida a sua estratégia de PI lhe permite fazer crescer sua empresa?

Nosso enfoque na proteção da PI cria novas oportunidades em termos de avaliação da empresa. O fato de nossas linhas de produtos estarem protegidas por todos os lados e poderem ser distribuídas sem risco é de grande valor estratégico para nós. Nossos direitos de PI significam que podemos impedir ativamente que nossos concorrentes vendam produtos similares com conteúdo técnico ou inovação comparável.

Quais são os seus planos para o futuro?

Recentemente abrimos uma nova unidade de fabricação em Tiszafüred, na Hungria. Isto eleva o nosso pessoal para cerca de 500 funcionários. Não há falta de ideias na Julius K-9®, portanto, continuaremos a inovar. Tenho certeza de que nossas inovações continuarão a ganhar apoio e que nossos produtos provarão que estão nos mercados de futuro. Por exemplo, nossos arreios de cães inteligentes com sensores embutidos para medir as funções vitais de um animal e rastrear a atividade diária.

Quais são as principais lições que você aprendeu na comercialização de seus produtos?

O principal benefício de minha experiência no lançamento de novos produtos durante a última década é proteger a inovação em todas as frentes, se possível, especialmente em termos de seu design e conteúdo técnico. Se não o fizermos, ficaremos vulneráveis. Aprendemos também como é importante estarmos bem informados sobre os mercados nos quais queremos vender nossos produtos, dados os perigos do comércio on-line global. Antes de lançarmos qualquer novo produto, pesquisamos minuciosamente o mercado para ter uma compreensão clara dos produtos disponíveis. Também pesquisamos os direitos de patente e design existentes para evitar infringir quaisquer direitos pré-existentes. 

Nossos direitos de PI significam que podemos impedir ativamente que nossos concorrentes vendam produtos similares com conteúdo técnico ou inovação comparável.

Se tivesse que recomeçar tudo, o que você faria de outra maneira?

Se eu tivesse que recomeçar hoje, provavelmente teria começado a desenvolver produtos customizáveis muito mais cedo. Aprendemos que, como garantir os direitos de PI pode ser muito caro, a abordagem mais eficiente é proteger nossas principais tecnologias e complementá-las com acessórios e variações personalizáveis, que também podem ser elegíveis para proteção. Esta é a nossa abordagem atual e está funcionando bem. A diversidade do nosso portfólio de PI é um de nossos pontos fortes, mas não temos a capacidade de traduzir todas as nossas ideias em produtos. É por isso que nosso objetivo é desenvolver e expandir nosso programa de licenciamento. Já concluímos uma série de acordos de licenciamento bem sucedidos e faremos mais no futuro. O licenciamento é uma boa opção para as empresas que não têm a capacidade de converter suas ideias em inovações. Ao anunciar oportunidades de licenciamento nas plataformas apropriadas, esperamos atrair potenciais investidores.

A Revista da OMPI destina-se a contribuir para o aumento da compreensão do público da propriedade intelectual e do trabalho da OMPI; não é um documento oficial da OMPI. As designações utilizadas e a apresentação de material em toda esta publicação não implicam a expressão de qualquer opinião da parte da OMPI sobre o estatuto jurídico de qualquer país, território, ou área ou as suas autoridades, ou sobre a delimitação das suas fronteiras ou limites. Esta publicação não tem a intenção de refletir as opiniões dos Estados Membros ou da Secretaria da OMPI. A menção de companhias específicas ou de produtos de fabricantes não implica que sejam aprovados ou recomendados pela OMPI de preferência a outros de semelhante natureza que não são mencionados.