IMBERLITA: Criando valor com artesanato através da imagem de marca

Com população de 22.000 habitantes, o município de Imbert está situado no centro da província de Puerto Plata e é dos principais pontos turísticos da República Dominicana. Além de sua beleza natural, a região é famosa pelo artesanato local.

Os artesãos da região de Imbert trabalham temas tipicamente
dominicanos em suas peças de artesanatos.
(Fotos: Cortesia de ASOARTEP)

O artesanato da República Dominicana nasceu das culturas taína (indígenas nativos) espanhola e africana. A combinação destas culturas deu origem a uma forma de expressão artística única, cujas peças se caracterizam por suas cores intensas. Todas são feitas a partir de materiais naturais, que incluem madeira, minérios e até o precioso âmbar, originário da ilha. Um desses materiais, somente encontrado nas minas dos arredores de Imbert, é uma pedra que tem aparência de madeira.

Esta pedra é um mineral chamado talco, formado a partir de uma rocha sedimentária, o arenito, também conhecida como “madeira petrificada”. Pode ser trabalhada à mão com o auxílio de ferramentas simples, como facões e facas. A partir desta rocha, os artesãos criam figuras tipicamente dominicanas como, por exemplo: bonecas sem rosto; peças taínas; símbolos associados à família, ao nascimento e ao amor; peças de xadrez, bolas de beisebol, animais e imagens religiosas.

O artesanato de Imbert tem como raízes as tradições da região. Os conhecimentos tradicionais e o know-how dos escultores de pedra de Imbert e dos arredores remontam à década de 1960.

A Associação dos Artesãos de Madeira Petrificada (ASOARTEP) foi criada em 1997 com o intuito de reconhecer as qualidades únicas deste artesanato. Seu objetivo é proteger as expressões culturais tradicionais locais e fomentar o desenvolvimento dos artesãos e do artesanato da região de Imbert.

Captação de valor por meio de uma marca coletiva

Em 2011, a ASOARTEP registrou "IMBERLITA" como marca coletiva para o artesanato em madeira petrificada produzido em Imbert.

Ao contrário das marcas tradicionais, as marcas coletivas geralmente pertencem a um grupo ou associação, e seu uso é reservado aos membros de tal grupo ou associação. Sua função é informar o público sobre as características distintivas dos produtos que as utilizam. Tal utilização está portanto condicionada a certos critérios. No caso da marca coletiva IMBERLITA, esta só pode ser utilizada por membros da ASOARTEP cujas peças de artesanato satisfazem os seguintes requisitos:

  • a peça de artesanato deve ser feita manualmente com facas ou facões, o que garante a originalidade da obra e melhora as oportunidades de trabalho local;
  • a pedra utilizada para fazer a peça de artesanato dever ser proveniente das minas de pedras situadas na região em torno de Imbert, o que garante a origem específica da peça; e
  • a peça de artesanato deve ser feita somente com elementos não tóxicos, o que assegura sua segurança.

O registro da marca coletiva IMBERLITA teve um impacto positivo na vida e nos negócios dos artesãos locais.

A marca permitiu aos artesãos da região participar de um processo coletivo que dá valor ao trabalho deles. Sem a marca coletiva, isto não teria sido possível, já que a maioria dos artesãos não dispõe do capital e dos conhecimentos necessários para criar marcas ou lançar atividades promocionais,

explica Pablo García, Presidente da ASOARTEP.

Nas palavras do presidente da associação: "Graças ao registro da marca IMBERLITA, os artesãos podem usá-la para captar valor. Ao longo de dez anos de uso da marca coletiva, as condições deste grupo de escultores de pedra melhoraram. Foram gerados cerca de 200 empregos diretos, nos processos de extração da pedra, e na preparação e comercialização das obras”.

Segundo Pablo García, o uso da marca coletiva oferece aos turistas a garantia de que as peças que compram são autênticas e o dinheiro que pagam irá para os artesãos locais. Isto, por sua vez, melhora o reconhecimento internacional do trabalho artesanal da região, e também levou a uma queda no número de imitações.

A República Dominicana

A ASOARTEP colaborou para o desenvolvimento de agências de capacitação direcionadas aos artesãos de Imbert. A produção artesanal foi incorporada às estratégias locais para o desenvolvimento do turismo cultural em Puerto Plata.

Em 2017, o Governo da República Dominicana criou a Praça do Artesanato em Imbert e dedicou-a aos artesãos locais. A Praça é utilizada para apoiar o desenvolvimento, a produção e a comercialização de artesanato em madeira petrificada da marca coletiva IMBERLITA. É também aí que se organizam feiras, exposições, atividades culturais e reuniões, bem como outras atividades que têm como objetivo exibir as criações artesanais da região.

O desenvolvimento da indústria da madeira petrificada criou um mercado essencial nos setores cultural e turístico da região Imbert. Hoje em dia, até o brasão do município de Imbert foi atualizado para incluir o artesanato como um dos elementos distintivos da região.