Dia Mundial da Propriedade Intelectual 2020: Inovar para um futuro verde

A crise climática impulsiona mudança para a moda sustentável

John Zarocostas, jornalista freelance

A crescente preocupação com a ameaça existencial que as alterações climáticas e o impacto da poluição, dos resíduos tóxicos e do esgotamento dos recursos essenciais representam para a saúde e para o ambiente natural da Terra está também impulsionando uma mudança de paradigma no sentido da sustentabilidade na indústria da moda.

A forma como os consumidores usam as suas roupas também tem um grande impacto ambiental devido à água, energia e produtos químicos utilizados na lavagem, secagem e engomagem das mesmas. Menos da metade das roupas usadas é reutilizada ou reciclada. A maioria acaba em aterros sanitários ou é incinerada. (Foto: Getty/vuk8691)

Além de seu glamour, a indústria é percebida cada vez mais como um grande usuário de produtos químicos nocivos, pesticidas e um grande gerador de emissões de carbono, resíduos e poluição ambiental. As novas tendências sugerem que o compromisso das marcas de moda com a sustentabilidade está se fortalecendo por uma série de razões, incluindo a necessidade de salvaguardar os valores das marcas. No entanto, se a indústria da moda quiser mover o mostrador em suas credenciais verdes, não pode mais simplesmente pagar um serviço de sustentabilidade; precisa tomar medidas concretas para melhorar seu desempenho ambiental.

Pesquisadores chamam a moda para a sustentabilidade

Uma série de relatórios de pesquisa recentes esclarece a grande pegada de carbono e ambiental do setor, desde a entrada de matérias-primas até a fabricação, distribuição, uso do consumidor, reciclagem e eliminação em fim de vida útil. Estes relatórios sublinham a necessidade de se afastar das banalidades promocionais para uma ação concertada com vista a melhorar as credenciais ambientais do setor.

Um relatório da McKinsey& Company e da Business of Fashion sobre "O Estado da Moda em 2020" confirma isso, observando que quando se trata de sustentabilidade, "o histórico da indústria é uma fonte de preocupação". O setor, diz o relatório, "ainda representa 6% das emissões de gases de efeito estufa e 10% a 20% do uso de pesticidas". Lavagem, solventes e corantes usados na fabricação são responsáveis por um quinto da poluição da água industrial, e a moda responde por 20 a 35% dos fluxos de microplásticos para o oceano". Os consumidores estão acordando cada vez mais para esta realidade".

Uma avaliação anterior conjunta da Quantis e da Fundação ClimateWorks, "Measuring Fashion”, PDF, joint assessment by Quantis and the ClimateWorks Foundation estimou que as indústrias globais de vestuário e calçado “são responsáveis por 8% das emissões mundiais de gases com efeito estufa."

Um outro estudo PDF, study by the EPRS on the environmental impact of the textile and clothing industry do Serviço de Pesquisa Parlamentar Europeu (EPRS) sobre o impacto ambiental da indústria têxtil e de vestuário concluiu que o vestuário, por si só, "representa entre 2% e 10% do impacto ambiental do consumo da UE".

A indústria da moda representa 6% das emissões de gases de efeito estufa e 10% a 20% do uso de pesticidas, de acordo com um relatório da McKinsey & Company e da Business of Fashion. O relatório também observa que a moda responde por até 35% dos fluxos de microplásticos para o oceano. (Foto: Getty/ Andrei Stanescu)

Os consumidores também desempenham um papel

A análise da EPRS observa que a forma como os consumidores usam as suas roupas também tem "uma grande pegada ambiental devido à água, energia e produtos químicos utilizados na lavagem, secagem e engomagem, bem como para o derrame de microplásticos no ambiente". Menos da metade das roupas usadas é recolhida para reutilização ou reciclagem... e apenas 1% é reciclada em roupas novas".

É uma batalha difícil para as pessoas compreenderem que a sustentabilidade não é apenas verde, mas também tem uma componente social, particularmente na indústria da moda

Dorothée Baumann-Pauly, Diretora da Pesquisa no NYU Stern Center for Business and Human Rights

Na mesma linha, o recente relatório Dovetail Partners Consuming Responsibly Report, No. 13, “Environmental Impacts of Clothing Manufacture, Purchase, Use and Disposal,” conclui que a ascensão da moda rápida é uma questão importante para a indústria do vestuário, ou seja, "a prática relativamente recente da comercialização de moda de baixo custo e de curta duração, levando ao aumento das taxas de consumo de vestuário per capita e de descarte".

"A eliminação do vestuário tornou-se um problema global", diz o relatório, citando resultados de pesquisas que estimam que quatro quintos do vestuário descartado globalmente vão para o fluxo de resíduos, dos quais cerca de 57% terminam em aterros sanitários, e a maior parte do resto é incinerada.

A sustentabilidade torna-se uma alta prioridade

O impulso para a sustentabilidade que agora varre a indústria tem sido desencadeado por uma combinação de fatores. Estes incluem a determinação de corrigir a imagem pública prejudicial e as deficiências da indústria documentadas por pesquisadores, novas regulamentações e metas de conformidade com a sustentabilidade por parte de algumas economias importantes, iniciativas voluntárias de sustentabilidade lançadas por líderes e grupos da indústria da moda, e uma crescente conscientização dos consumidores sobre as ameaças representadas pelas mudanças climáticas e os desafios ambientais.

A crise climática é uma das questões mais importantes a enfrentar. Como varejista global de moda, temos um grande papel a desempenhar e a colaboração é fundamental.

Karl-Johan Persson, CEO do Grupo H&M

Muitas das novas iniciativas proliferaram na sequência do histórico Acordo de Paris de 2016 para combater as alterações climáticas e intensificar a ação para um futuro sustentável com baixo teor de carbono, e da adoção pelas Nações Unidas, em 2015, dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Essas iniciativas marcantes ajudaram a impulsionar as questões de sustentabilidade na agenda prioritária da indústria da moda e dos formuladores de políticas.

Uma importante iniciativa marcante – a Carta da Indústria da Moda para Ação Climática – foi lançada em dezembro de 2018 na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP24) em Katowice, Polônia, por 43 marcas líderes, varejistas e organizações fornecedoras, incluindo Adidas, Burberry, Gap Inc, H&M Group, Hugo Boss e a Coalizão de Vestuário Sustentável.

A Carta afirma que a indústria da moda "precisa abraçar uma mudança mais profunda e sistêmica e escalar soluções com baixo teor de carbono". A sua visão é alcançar emissões líquidas zero até 2050. E seus objetivos incluem uma redução de 30% (dos níveis de 2015) nas emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2030; um compromisso de favorecer uma logística e materiais de baixo carbono com baixo impacto climático; e a busca de medidas de eficiência energética e energias renováveis na cadeia de valor da moda.

"A crise climática é uma das questões mais importantes a enfrentar. Como varejista global de moda, temos um grande papel a desempenhar e a colaboração é fundamental", declarou Karl-Johan Persson, CEO do Grupo H&M, numa chamada pública feita por um grupo de 86 empresas de moda durante a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP 25) em Madri, em Dezembro de 2019.

Ao exortar os líderes políticos a realizarem ações climáticas ambiciosas, ele disse: "Todos os atores precisam assumir a responsabilidade de impulsionar a mudança para reduzir as emissões e permanecer dentro dos limites planetários". As empresas precisam se comprometer com essa mudança e os governos precisam facilitar o processo com as leis, regulamentos e sua implementação".

O Pacto da Moda é outra iniciativa de grande visibilidade. O pacto inclui uma coalizão global de 56 empresas representando cerca de 250 marcas da indústria da moda e têxtil (prêt-à-porter, esporte, estilo de vida e luxo), juntamente com fornecedores e distribuidores, comprometidos com um núcleo comum de metas ambientais em três áreas: deter o aquecimento global, restaurar a biodiversidade e proteger os oceanos (ver box).

Sobre o Pacto da Moda

O Pacto da Moda é uma coalizão global de empresas de moda e têxteis, incluindo seus fornecedores e distribuidores. A coalizão está empenhada em alcançar objetivos ambientais em três áreas: deter o aquecimento global, restaurar a biodiversidade e proteger os oceanos.

Os membros incluem: Armani Group, Carrefour, Chanel, Inditex, Fung Group, H&M, Kering, Nike, Puma, Prada S.p.A, PVH Corp., Ralph Lauren, e Stella McCartney.

O Pacto da Moda foi uma missão dada a François-Henri Pinault, Presidente e CEO do Grupo Francês de Luxo Kering, pelo Presidente francês Emmanuel Macron.

O Pacto foi apresentado aos Chefes de Estado e de Governo no G7 em Biarritz (França) em agosto de 2019.

Espaço para melhorias

Os especialistas internacionais concordam que a sustentabilidade se tornou e continuará a ser uma prioridade máxima para a indústria da moda. No entanto, eles também apontam para uma falta de rigor no que diz respeito aos critérios de relato e aos padrões de due diligence em toda a indústria.

"As marcas, os varejistas, sabem que precisam lidar com as questões da cadeia de abastecimento e com as questões do trabalho social e da conformidade e dos direitos humanos, mas ao mesmo tempo precisam lidar com questões ambientais relacionadas com o clima e com a eficiência de recursos", diz Joseph Wozniak, Diretor do Programa de Comércio para o Desenvolvimento Sustentável do International Trade Center (ITC).

"Tornou-se, em particular com a moda rápida, uma questão de topo na maioria das marcas baseadas na Europa, mas também nas da América do Norte... e também para os consumidores", diz ele.

Estas afirmações são apoiadas por uma recente pesquisa ITC, que constatou que pelo menos 95 por cento dos varejistas e das marcas esperam que a procura de produtos sustentáveis num cabaz de bens de grande consumo, incluindo vestuário, se mantenha elevada nos próximos cinco anos, no mínimo. O estudo, financiado pela União Europeia (UE) abrangeu 1.500 empresas na França, na Alemanha, na Itália, nos Países Baixos e na Espanha.

Em geral, no entanto, existem lacunas em termos de relatórios e documentação do impacto das iniciativas lideradas pela indústria. John Christiensen, Diretor do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (UNEP) - TUD (Technical University of Denmark) Partnership observa que "[embora] o potencial seja enorme, o impacto documentado é ainda relativamente fraco. Não sei se os resultados são pobres, mas os resultados documentados são pobres". Muitos deles não têm regras rígidas de relato com abordagens uniformes, por isso é difícil dizer".

Kathryn Fernholz, Presidente e CEO da Dovetail Partners, Inc, sugere que se o ponto de partida principal for "compreender a pegada energética e a fonte de energia, - seja energia na fabricação, distribuição, coleta ou no descarte - então o progresso pode ser feito. A Sra. Fernholz espera ver um maior foco, em particular, na limitação da contribuição do vestuário para a poluição por microplásticos, o que exigirá a criação de novas tecnologias mais eficazes.

As soluções são complexas em termos de remoção de microplásticos e da tecnologia necessária para isso e para evitar que os materiais entrem nos nossos sistemas de água". A questão é crítica...

Kathryn Fernholz, Presidente e CEO da Dovetail Partners, Inc.

De acordo com o PNUA, das 6,3 bilhões de toneladas de resíduos plásticos produzidos desde os anos 50, apenas 9% foram reciclados e outros 12% incinerados. Estima-se que 100 milhões de toneladas de plástico, até 90% das quais provêm de recursos terrestres, estão nos mares do mundo.

Dorothée Baumann-Pauly, Diretora de Pesquisa do NYU Stern Center for Business and Human Rights diz: "Ainda é uma batalha difícil para as pessoas entenderem que a sustentabilidade não é apenas verde, mas também tem um componente social, particularmente na indústria da moda". O Professor Baumann-Pauly diz que as empresas do setor "precisam começar a analisar as questões de direitos humanos na cadeia global de fornecimento [e] os direitos trabalhistas nas fábricas em que produzem suas roupas".

Mas da forma como as coisas estão evoluindo, alguns especialistas acreditam que vários governos, pelo menos na Europa, estão tomando as questões da sustentabilidade nas suas próprias mãos. Por exemplo, em 2017, a França adotou sua Lei do Dever Corporativo de Vigilância (2017-399), que exige que as grandes empresas publiquem planos de due diligence para evitar graves impactos de direitos humanos e ambientais relacionados às suas operações e cadeias de abastecimento. A lei responsabiliza as empresas por quaisquer danos infligidos, se não cumprirem com as suas estipulações.

O Professor Baumann-Pauly diz que a Suíça também está planejando introduzir uma lei de due diligence dos direitos humanos sob sua iniciativa empresarial responsável.

Notáveis tendências de sustentabilidade na indústria da moda

Muitas empresas de moda e têxteis lançaram iniciativas para afirmar o seu compromisso de alcançar os objetivos ambientais. As iniciativas de marcas e agrupamentos industriais são um passo na direção certa, mas a indústria da moda ainda tem algum caminho a percorrer antes de ganhar uma base firme e amiga do ambiente. (Foto: Getty/Björn Forenius)

As tendências de sustentabilidade de interesse na indústria da moda, dizem os especialistas, incluem compromissos de algumas empresas:

  • Usar apenas algodão mais sustentável ou orgânico (C&A);
  • Mudar para fontes renováveis de energia e materiais e recursos ecológicos; e
  • Aumentar os níveis de reciclagem e reutilização e a introdução de esquemas de recolha (Nike) e uma mentalidade de economia circular nas suas operações (Kering), (ver caixa para exemplos).

Finalmente, alguns especialistas e empresas de moda estão defendendo uma mudança para a moda lenta, com os consumidores encorajados a comprar menos mas de melhor qualidade e artigos de moda mais duradouros.

Michael Stanley Jones, Co-Secretário da Aliança das Nações Unidas para a Moda no PNUA, observa que foram feitos progressos no setor da moda em duas áreas: Primeiro, em termos de rastreabilidade e responsabilidade, que têm sido apoiados por novas aplicações tecnológicas, tais como a cadeia de bloqueio e o passaporte de produtos. E em segundo lugar, em termos de medição das emissões de carbono geradas através das cadeias de valor de cada empresa, por exemplo, a Science-based Targets Initiative, que "defende o estabelecimento de metas baseadas na ciência como uma poderosa forma de impulsionar a vantagem competitiva das empresas na transição para uma economia de baixo carbono". A iniciativa oferece às empresas "um caminho claramente definido para o crescimento à prova de futuro, especificando quanto e quão rapidamente elas precisam reduzir suas emissões de gases de efeito estufa".

Mais precisa ser feito

Os especialistas em sustentabilidade acreditam que as iniciativas das marcas e grupos industriais são um passo na direção certa, mas a indústria da moda ainda tem um longo caminho a percorrer antes de ganhar uma base sólida e ecológica.

Stanley-Jones sublinha que as marcas que afirmam ter planos credíveis para não atingir emissões líquidas de GEE dependem principalmente de compensações de carbono, mas que "a longo prazo, os ganhos para a neutralidade de carbono terão de vir de melhorias nos processos de produção e na cadeia de fornecimento, e não através de compensações".

"O PNUA gostaria que a mistura fosse da ordem de 90/10 com compensações que proporcionassem a parte menor", diz ele.

"Ainda não existe uma única marca global que ofereça uma coleção de cápsulas neutras em carbono, dando aos consumidores a opção de comprar roupas para as suas necessidades diárias que não contribuam para a queima do planeta". Até que o façam, podem continuar a perder quota de mercado para opções de mercado alternativas, incluindo a segunda mão, reparação e 'surf privado de guarda-roupa' (onde os amigos visitam os guarda-roupas uns dos outros e partilham o seu conteúdo)", observou o Sr. Stanley-Jones.

"A indústria em geral está tendo um desempenho ruim em sua pegada de carbono, com emissões de gases de efeito estufa para vestuário e calçados calculadas em 8,1% (2018) do total global", concluiu, observando que embora as novas tendências sejam promissoras, nenhuma delas "até agora moveu a agulha no desafio de transformar a indústria da moda em um motor de desenvolvimento sustentável".

Examples of fashion companies with an evolving sustainability mindset

KERINGA Kering desenvolveu uma ferramenta inovadora para medir e quantificar o impacto ambiental das suas atividades. A conta de ganhos e perdas ambientais da Kering mede as emissões de carbono, o consumo de água, a poluição do ar e da água, o uso do solo e a produção de resíduos em toda a cadeia de abastecimento, de forma a tornar o impacto ambiental das atividades do Grupo visível, quantificável e comparável. Estes impactos são então convertidos em valores monetários para quantificar o uso de recursos naturais. A empresa utiliza a ferramenta "para orientar sua estratégia de sustentabilidade, melhorar seus processos e fontes de abastecimento e escolher as tecnologias mais adaptadas".

C&A – A meta do varejista global de vestuário C&A para 2020 é de que 100% do algodão que utiliza seja mais sustentável. A C&A é o principal comprador mundial de algodão orgânico, que tem uma pegada ambiental menor do que a do algodão cultivado tradicionalmente. Em 2018, 71% do algodão que vendia era certificado como algodão orgânico ou de origem melhor algodão. Ao adquirir algodão mais sustentável, a empresa procura normalizar as melhores práticas em toda a indústria do algodão e demonstrar que é possível adquirir algodão 100% mais sustentável.

NIKEA Nike está ajudando a proteger o futuro do esporte para todos os atletas, o que requer um planeta saudável, através de uma série de iniciativas, incluindo Move to Zero, que sinaliza a jornada da empresa em direção a zero carbono e zero desperdício. Seu objetivo é alcançar operações com zero carbono até 2025 e eliminar o desperdício da sua cadeia de fornecimento, desenhando-a fora dos seus produtos e otimizando os seus processos de fabrico. A Nike envia um grande número de encomendas todos os anos globalmente e está à procura de formas de o fazer de forma mais sustentável. Por exemplo, o seu mais recente centro de distribuição, em Ham, Bélgica, chamado The Court, é alimentado completamente por energia renovável de cinco fontes locais: eólica, solar, geotérmica, hidroelétrica e biomassa e recicla 95% dos resíduos que gera no local.

NEW BALANCE – A empresa de artigos esportivos New Balance acredita em "pisar de leve nos recursos limitados" e "lutar pelo desperdício zero" no que faz e na avaliação dos "impactos do ciclo de vida" de seus produtos e atividades. Seu objetivo é criar produtos que sejam totalmente recuperáveis, que não criem desperdícios, que não envolvam o uso de substâncias tóxicas e que não tenham impacto ambiental negativo.

PATAGONIARoupa usada é o centro da Patagonia, para prolongar a vida útil do seu equipamento. Ela observa que manter as roupas em uso por mais nove meses pode reduzir em até 30% as pegadas de carbono, água e resíduos relacionados. "A melhor coisa que podemos fazer pelo planeta é reduzir o consumo e obter mais uso das coisas que já possuímos", explica o site da empresa.